LANTERNA NA POPA

Tomo emprestado para este artigo o nome de um livro de Roberto Campos. A imagem da lanterna iluminando a esteira deixada pelo barco enquanto a proa abre caminho nas trevas é uma das permanentes analogias nacionais. A próxima eleição presidencial é, apenas, o mais recente exemplo. O país do futuro traz o passado como chiclete na sola do sapato.

Tudo está sendo conduzido para que o pleito se transforme numa espécie de plebiscito em que o eleitor votará como se estivesse escolhendo entre os governos de Fernando Henrique e Lula. Lula ou FHC? FHC ou Lula? Nenhum dos dois estará com a foto na urna eletrônica e a disputa se dará entre diferentes arranjos políticos, envolvendo pessoas ainda mais diferentes. Teimosamente, a lanterna nega foco ao futuro e a seus verdadeiros protagonistas. Admito, é uma estratégia. Mas, convenhamos, é quase uma fraude.

Os governistas pretendem provar a superioridade do governo Lula em relação ao de FHC, como se fosse possível comparar gestões transcorridas em circunstâncias tão distintas. Não é. Conduzir as campanhas por essa trilha significa levar a nação a uma escolha alheia ao cardápio eleitoral. Equivale a promover uma eleição psicografada por personagens que saíram do palco. Ou, pura e simplesmente, é ser levado naquela conversa de comprar Evita por Perón e Cristina por Nestor.

Não tenho dúvidas de que essa estratégia acabará imposta ao pleito, mesmo que só possa funcionar com fatos submetidos a requintes de prestidigitação publicitária. Afinal, nem mesmo a tropa de choque do PSDB no Senado fez por FHC entre 1995 e 2002 o que Lula lhe proporcionou ao ficar no posto, de 2003 a 2010, sem mudar uma vírgula das diretrizes centrais do governo ao qual sucedeu. Uma decisão como essa de dar continuidade às linhas implementadas por aquele a quem fazia feroz oposição fornece ao observador que não se deixa enganar um bem testemunhado e sincero reconhecimento do valor de tais políticas. Lula se tornou o mais fiel seguidor de FHC! Fez alguma coisa melhor, outras pior, o filoesquerdismo chique engrossou, mas a essência de tudo foi preservada.

Então, que raios de estratégia é essa que pretende transformar a eleição de 2010 numa réplica da de 2002? Simples, meu caro Watson. Uma coisa é o que de fato aconteceu nos últimos anos, graças à manutenção de políticas corretas, ao longo do tempo, sob o benefício de circunstâncias favoráveis, enquanto elas se mantiveram. Outra, bem diferente, é o resultado da desconstrução de imagem que a agitprop petista fez com FHC depois de perder para ele duas eleições consecutivas. Trata-se de verdadeiro paradoxo, apoiado apenas na capacidade de comunicação de Lula. O presidente, todos sabem, consegue arrancar aplausos do auditório até quando, num mesmo discurso, diz A e o contrário de A. Com a maior desenvoltura, fala em tom professoral sobre tudo que convém ainda que nada saiba sobre o assunto. E age como se tivesse ocorrendo na China e sendo publicado em árabe, tudo que não lhe convém, ainda que esteja perfeitamente a par. Foi assim, com esse talento, que ele deletou, numa frase, o lero-lero demagógico com que atacou a imagem do governo FHC. Era tudo bravata.

Coisa muito louca isso que vem por aí: um novo pleito entre Lula e FHC, assim proposto pelo primeiro, que é o principal beneficiário e o mais ortodoxo seguidor do segundo.

Percival Puggina

www.puggina.org

ZERO HORA, 06 de junho de 2010

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: