PORTUGAL – LUTO


Morreu Saramago o escritor português universal

José Saramago foi o único escritor de língua portuguesa a ganhar o Prêmio Nobel de literatura. Ateu, comunista e polêmico. Delicado, denso e amoroso. Um narrador tradicional que inovava no texto, na forma e sobretudo no tema

Foto: Reuters

Toinho de Passira

Fontes: Caderno José Saramago, Publico, G1, BBC Brasil

O escritor português José Saramago, 87 anos, morreu hoje, sexta-feira, na localidade de Tías, em Lanzarote, Ilhas Canárias na Espanha. Saramago é um dos maiores nomes da literatura contemporânea, o único escritor da língua portuguesa a ser laureado com o prêmio Nobel de Literatura no ano de 1998. Ganhou também um prêmio Camões – a mais importante condecoração da língua portuguesa.

Entre seus livros mais conhecidos estão “Memorial do convento”, “O ano da morte de Ricardo Reis”, “O evangelho segundo Jesus Cristo”, “A jangada de pedra” e “A viagem do elefante”. O mais recente romance publicado pelo escritor foi “Caim”, de 2009. Seu estilo de escrita era caracterizado, entre outras experimentações de linguagem, pelos parágrafos muito longos e o uso incomum de pontuações.

“Ensaio sobre a cegueira”, que conta a história de uma epidemia branca que cega as pessoas, metáfora da cegueira social, foi levado às telas em um produção hollywoodiana filmada pelo cineasta brasileiro Fernando Meirelles (de “Cidade de Deus”) em 2008. O autor, normalmente avesso a adaptações de suas obras, aprovou o trabalho de Meirelles.

Saramago era considerado como o criador de um dos universos literários mais pessoais e sólidos do século XX e uniu a atividade de escritor com a de homem crítico da sociedade, denunciando injustiças e se pronunciando sobre conflitos políticos de sua época. Em 1997, escreveu a introdução para o livro de fotos “Terra”, em que o fotógrafo Sebastião Salgado retratava a rotina do movimento dos sem-terra no Brasil.

Saramago nasceu na aldeia de Azinhaga, na Golegã, a 16 de Novembro de 1922, e apesar da mudança com a família para Lisboa, com apenas dois anos, o local de nascimento seria uma marca constante ao longo da sua vida, como se referiria na Academia Sueca em 1998, aos 76 anos, quando da sua distinção com o Nobel da Literatura.

A austeridade material da sua infância, contraposta a uma riqueza humana que o marcaria indelevelmente, seria um dos pontos fulcrais do discurso, onde destacou longamente a avó Josefa e o avô Jerônimo, “capaz de pôr o universo em movimento com apenas duas palavras.”

O escritor português junto de Fidel Castro durante um protesto contra o bloqueio a Cuba, em 1998. Depois romperia com o regime de Castro, devido a fuzilamento de presos políticos.

Estudante no Liceu Gil Vicente, que é obrigado a abandonar por dificuldades econômicas, matriculando-se na Escola Industrial Afonso Domingues, termina em 1939 os estudos de Serralharia Mecânica.

Em 1944, casa com a gravadora e pintora Ilda Reis. A filha única do casal, Violante Saramago Matos, nasceria em 1947, o mesmo em que publica a sua primeira obra, “Terras do Pecado”. O título original, “Viúva”, foi alterado por imposição do editor da Minerva.

Saramago desvaloriza o livro, que nunca incluiu na sua bibliografia. Uma das razões apontadas pelo seu autor para a exclusão foi, precisamente, a alteração forçada do título. “Clarabóia”, que seria o sucessor de “Terras do Pecado”, foi recusado pelo seu editor e permanece inédito até hoje.

Foto: Christina Fallara

Fotografado, em Lisboa, pela fotografa americana Christina Fallara

Leia mais

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: