Política econômica da presidente e ministra da Fazenda Dilma=maior déficit de conta corrente da história, desindustrialização, atraso cambial, compressão das tarifas públicas…

30/11/2013 às 18:00 \ Política & Cia

BC que deve aumentar o custo do dinheiro e retornar à marcante taxa de juros básica de dois dígitos

A sociedade brasileira aceita a ‘cristalização’ de uma situação que joga o país no atraso, mas é bom que se saiba que há custos. Estes virão

Do blog Política & Economia Na Real, do jornalista José Márcio Mendonça e do economista Francisco Petros

ÚLTIMA SEMANA DE NOVEMBRO – 1

Nesta última semana de novembro, reuniram-se mais alguns fatos e atos que demonstram que o Brasil persiste a arranhar as melhores expectativas que dele podem se formar.

Do ponto de vista econômico tivemos a reunião do Copom do Banco Central que aumentou o custo do dinheiro e retornou à marcante taxa de juros básica de dois dígitos. Deste fato extrai-se a constatação do fracasso em relação à política monetária como instrumento efetivo a conter a inflação.

O governo persiste na estratégia de informar o público de que a meta em relação à variação dos preços está sendo cumprida, mas o que de fato se faz é abandonar o centro da meta de inflação e operar na “periferia do alvo” o que mexe não somente com as expectativas de curto prazo, mas, sobretudo com as de médio prazo.

Esquecem os planejadores de Brasília que este discurso e estratégia acabam por elevar a resistência do tal do mercado em reduzir as taxas de juros. Tão simples de entender e o governo não entende.

Última semana de novembro – 2

Do lado dos juros ativos dos bancos, o custo de empréstimos e financiamentos, o fracasso do governo é ainda mais retumbante. Nada conseguiu em relação à redução do spread bancário (lembram-se?) [spread é a diferença entre o custo desembolsado pelos bancos para captar dinheiro e o custo para quem toma dinheiro emprestado dos bancos] e sequer foi capaz de chegar a um diagnóstico sobre o assunto.

Esqueceu-se o assunto, assim como foi esquecido o PIB de 4,5% neste ano.

Seria piada se não fosse interesse de nosso país. Mas, a presidente da República e ministra da Fazenda Dilma Rousseff tem a sorte de fazer com que a letargia nacional não se torne motivo de maior desemprego. Somado a este fato as políticas ditas “sociais”, bem como o alargamento da base de apoio dos políticos por meio de práticas (tristemente) históricas, a enganação nacional persiste.

Afinal, quem se importa – no sentido de agir politicamente – com o maior déficit de conta corrente da história, o processo estrutural de desindustrialização, o atraso cambial, a compressão das tarifas públicas, etc? A sociedade brasileira aceita a “cristalização” de uma situação que joga o país no atraso, mas é bom que se saiba que há custos. Estes virão.

Tags: BC, custo do dinheiro, Dilma Rousseff, inflação, reunião do COPOM, spread bancário, taxa de juros básica

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: