Palácio do Planalto usa a máquina estatal para montar uma “usina de dossiês” contra adversários do PT

Depois da Veja, imprensa abre espaço para o livro-bomba que escancara a fábrica de dossiês do PT e acusa Lula de ser delator do DOPS.

Abaixo, matéria da Folha de São Paulo:
Um livro publicado nesta semana acusa o Palácio do Planalto de usar a máquina estatal para montar uma “usina de dossiês” contra adversários do PT e afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi informante da ditadura militar. Com 557 páginas, “Assassinato de Reputações: um Crime de Estado” (Topbooks) traz o depoimento do ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Jr., 53 anos, ao jornalista Claudio Tognolli.
Após três anos no cargo, Tuma Jr. foi afastado do governo em 2010 sob a suspeita de beneficiar um suposto integrante da máfia chinesa, Paulo Li. Parte do teor do livro já havia sido publicado nas duas mais recentes edições da revista “Veja”. Na semana passada, governistas bloquearam um convite da oposição para Tuma Jr. no Senado, alegando que deixou o governo por suspeitas “gravíssimas”.
No livro, Tuma Jr. afirma que ele acabou se tornando uma das vítimas da “fábrica de dossiês” petista e que, apesar de ter sido inocentado por sindicâncias internas, acabou condenado pelo “Supremo Tribunal do Google”. “Se o objetivo é político, a condenação moral é muito mais importante do que a jurídica”, disse Tuma Jr. ontem à Folha, por telefone. No livro, ele afirma que Lula o “usou como um fraldão, sumamente descartável”.
Na oposição, um dos alvos do governo teria sido o ex-senador e ex-governador tucano Tasso Jereissati (CE). Em 2009, o então senador e hoje ministro da Educação, Aloizio Mercadante, lhe teria entregue um pendrive com “seriíssimas denúncias” contra Jereissati.
À Folha, Tuma Jr., hoje delegado aposentado, disse que sua relação com o governo petista se deteriorou por não cumprir ordens para fazer dossiês e pelo que sabia sobre o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel (leia quadro abaixo), do qual participou da investigação. “Se eu tivesse falado: Esquece o assunto, não sei de nada’, talvez não tivesse acontecido isso”, disse, em referência a uma conversa sobre o caso com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.
O Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse na semana passada que pediu explicações aos setores de sua pasta mencionados no livro. Ele prometeu rebater todas as acusações de Tuma Jr.
‘BARBA’
Uma das partes mais fortes do livro é o capítulo 4, “Lula: Alcaguete e Aprendiz do Dops [Departamento de Ordem Política e Social]”, órgão de repressão do regime militar chefiado pelo pai, Romeu Tuma, morto em 2010. Na época, entre o final dos anos 1970 e início dos 1980, Lula era o principal líder sindical da região do ABC paulista e trabalhava na criação e organização do PT.
“Lula nos prestava informações muito valiosas: sobre as datas e locais de reuniões sindicais, quando haveria greve, onde o patrimônio das multinacionais poderia estar em risco por conta dessas paralisações”, afirma Tuma Jr., na época investigador de polícia subordinado ao pai. Sempre de acordo com o livro, Lula tinha o codinome Barba e, por causa da condição de informante, “obtinha certas vantagens”.
A principal teria sido a autorização para dormir no sofá do escritório de Tuma durante quase todo o período em que esteve preso, entre abril e maio de 1980. “O livro é uma contribuição para a história. Não tive espaço para falar, escrevi.” Até ontem, Lula não havia se pronunciado sobre o livro.
Postado por O EDITOR às 06:32:00

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: