Xiii, meu caro Stendhal!!!

15/01/2014 às 19:12

“Stendhal” quer saber por que a imprensa é tão simpática à cultura das drogas

Ele era Jimi Hendrix por causa das drogas ou apesar delas?

Ele era Jimi Hendrix por causa das drogas ou apesar delas?

Um leitor que se identifica como Henri-Marie Beyle — é claro que ele está brincando, né?, porque esse era o nome verdadeiro do grande Stendhal! — envia uma pergunta: “Reinaldo, por que a imprensa brasileira é tão condescendente com programas que, em vez de combater a dependência química, a reforçam? De onde vem isso?”

Xiii, meu caro Stendhal!!! A resposta não é simples. Não se esgota em um post. Não se esgota em milhares.

Na base dessa convicção estúpida, está a maconha, que ganhou o estatuto, e não só no Brasil, de uma categoria de pensamento. A repressão ao consumo dessa droga é confundida com o cerceamento, acredite!, da liberdade de expressão. Por quê? Parcela considerável dos, vá lá, contestadores do establishment nos anos 1960 e 1970 — especialmente na Europa e nos EUA — consumiam maconha; a erva era tida como expressão de rebeldia, da luta “contra o sistema”. Diga-me, meu caro Stendhal: há coisa mais patética do que maconheiro velho posando de rebelde em pleno 2014? Contra quê? Contra quem?

Como já escrevi aqui há muito tempo, e Ferreira Gullar voltou a lembrar em artigo recente na Folha, a geração que tomava a maconha como símbolo da liberdade está no poder no Brasil e no mundo. Para muitos, reprimir o seu consumo parece corresponder à morte de um sonho. Não é o caso de Dilma, por exemplo. A droga que ela consumia era outra; suas alucinações eram de outra natureza, como sabemos bem. Ela não consumia mato seco, mas Carlos Lamarca; não pensava na sociedade sem estado, mas na ditadura comunista. De todo modo, pertence, a exemplo de FHC, àquela geração que queria mudar o mundo — no caso dos comunistas, para muito pior. Mas a versão que passou para a história foi outra. Não quero perder o fio. Retomo.

Os apologistas da maconha, ainda que por razões sentimentais, não têm como argumentar logicamente que essa droga deva ser descriminada ou legalizada sem que o mesmo aconteça com as demais. Até porque o principal argumento — de que a proibição só alimenta o poder do narcotráfico — só para de pé se todas as substâncias hoje consideradas ilegais forem liberadas. Todo mundo sabe que a maconha está longe de ser a principal fonte de renda dos carteis internacionais de droga. Ainda é a cocaína.

Assim, o primeiro pilar em que se sustenta a cultura da droga é a suposta defesa da liberdade individual.

Já escrevi aqui que acho esse discurso sedutor e que tenderia até a aderir a ele não fosse o fato de que as consequências do consumo da droga recaem sobre o conjunto da sociedade. Não por acaso, os mesmos que advogam a descriminação dessas substâncias não tardaram a aderir à “medicalização” do discurso, fazendo uma curiosa fusão de leituras do mundo que, em si, são contraditórias.

Se a droga deve ser vista como matéria de liberdade individual, de escolha, então a dependência — em qualquer grau — tem de ser encarada como consequência dessa opção, certo? Mas quê… A um só tempo, os partidários da descriminação gritam “liberdade para consumir!” e “tratamento público e gratuito para os dependentes”. A cidade de São Paulo, como se sabe, acaba de dar um passo rumo ao abismo: passou a financiar com dinheiro público o consumo de crack. Ainda que se tente dourar a “pedra”, a consequência é essa.

A cultura da droga tem, então, na ‘medicalização” do discurso o seu segundo pilar, que convive, num milagre da engenharia argumentativa, harmoniosamente com o outro, o da liberdade individual. Ora, ora, pressuposto do exercício da liberdade é que o indivíduo arque com as consequências de suas escolhas, certo? Não no caso das drogas.

E há um terceiro pilar, talvez o mais deletério deles porque não pode ser submetido a nenhuma forma de abordagem racional. Consolidou-se o mito estúpido, especialmente dos anos 1960 para cá — quando setores importantes da academia e da imprensa resolveram marginalizar a alta cultura em favor da rebeldia pop —, de que as drogas são uma espécie de portal para áreas mais profundas da consciência, de onde se poderiam extrair verdades, que de outro modo, não viriam à tona; onde aconteceriam, sei lá, sinapses que não se realizariam sem o concurso daquelas substâncias.

Combater, então, o consumo de drogas — ou tentar impedi-lo — seria como vetar o acesso a uma intimidade de verdades recônditas; seria como censurar o “eu profundo” que habitaria cada um de nós. Pior: no universo da cultura pop, a droga é considerada a causa da “genialidade” dos artistas. Ora, uma abordagem racional, objetiva, técnica indicaria, citarei alguns, que Janis Joplin, Jimi Hendrix, Jim Morrison ou Kurt Cobain “aconteceram” APESAR DAS DROGAS, JAMAIS POR CAUSA DELAS.

Não é esse, no entanto, o saber firmado inclusive em setores da imprensa que escrevem a respeito. Há uma deletéria e maléfica glorificação, ainda que sub-reptícia e um tanto oblíqua, do vício. A droga se torna, assim, uma espécie de valor simbólico, que seduz adolescentes e jovens, levando-os muitas vezes a crer — por mais que tentem sofisticar o discurso — que, se consumirem as mesmas porcarias que aqueles consumiam, conseguirão, senão a mesma projeção, ao menos a mesma, vá lá, “profundidade’. Ora, é evidente que as drogas não fizeram com que as pessoas acima citadas se tornassem o que se tornaram na cultura pop. As drogas as mataram — de vício ou bala.

E a imprensa? Seu papel é mesmo vigiar o poder, contestá-lo, apontar ineficiências e desmandos. Tomar, no entanto, a ilegalidade das drogas como expressão de uma vontade autoritária do “poder” é uma simplificação estúpida. Programas como o de Fernando Haddad — ainda que essencialmente irracionais e contraproducentes, porque resultará numa elevação do consumo de drogas — são bem-recebidos pelos jornalistas, independentemente de seus méritos, porque lhes parece que o estado teria, finalmente, decidido se reconciliar com a sociedade, numa abordagem supostamente “humana” da questão. Afinal, ele concilia o exercício do suposto “direito” de consumir (nota: não existe esse “direito”) com a devida assistência.

Mais: na prática, a Prefeitura descrimina o consumo das substâncias ilícitas e “abre os braços” para os dependentes, o que reforça aqueles três pilares sobre os quais se assenta a cultura da droga: a liberdade, a assistência e a nova sensibilidade.

Por Reinaldo Azevedo

Tags: , , ,

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: