Parece que tentar conduzir Haddad à razão não é nem fácil nem difícil; é apenas inútil.

16/01/2014 às 6:25

Haddad politiza os “rolezinhos”, empresta-lhes caráter racial, decide negociar com os organizadores e, para não variar, apaga incêndio com gasolina. Tomara que São Paulo sobreviva à sua passagem

Haddad. Pobre São Paulo! Este Jânio Quadros de esquerda teve mais uma ideia...

Haddad. Pobre São Paulo! Este Jânio Quadros da esquerda engomada teve mais uma ideia…

A impopularidade está levando o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), a uma escalada de desatinos, ainda que conte com o apoio entusiasmado de setores importantes da imprensa. Na terça, veio à luz o programa “Bolsa Crack”. Nesta quinta, ficamos sabendo que este gigante decidiu negociar com… organizadores de rolezinhos! Assim, o que tinha tudo para ser uma onda, dessas que passam — até porque os amigos e familiares dos “rolezeiros” também frequentam shoppings —, ganha um ar de coisa politicamente grave, séria.

Parece que tentar conduzir Haddad à razão não é nem fácil nem difícil; é apenas inútil.

Vamos ver. O homem decidiu elevar o IPTU de São Paulo a alturas escorchantes e não quis negociar com ninguém. Nem com os vereadores de sua própria base. A coisa acabou na Justiça. Decidiu espalhar faixas de ônibus cidade afora, onde eram e onde não eram necessárias, e também achou que não tinha de conversar. Sua reputação, hoje, na cidade, não é das melhores.

Aí ele teve uma ideia luminosa: por que não conversar com os líderes dos rolezinhos? E o prefeito escalou, então, o secretário da Igualdade Racial, Netinho de Paula, para procurar os chamados “líderes” desses eventos. Um encontro deve acontecer na Prefeitura. O conjunto da obra é de uma impressionante irresponsabilidade. Ao escalar justamente o Secretário da Igualdade Racial, Haddad está a sugerir que a cor da pele é um componente importante da questão, o que é absolutamente falso. Essa já é uma perigosa politização do caso.

Netinho diz que o prefeito vai conversar também com os shoppings para que os jovens possam frequentá-los normalmente. Ora, boa parte desses estabelecimentos, não custa notar, fica em áreas periféricas da cidade. Não se tem notícia de que pessoas tenham sido impedidas de neles entrar em razão da cor da pele, da origem social, da orientação sexual ou de qualquer outra coisa. Netinho também teve a sua ideia luminosa. Afirmou que os rolezinhos poderiam acontecer nos estacionamentos… Imaginem vocês… Centenas ou milhares de pessoas promovendo seus eventos em meio a automóveis. Seria um bom caminho para espantar os consumidores.

Grupos de esquerda, movimentos sociais, autoridades e, infelizmente, jornalistas, como alertei aqui na segunda, contribuíram para emprestar um sotaque político ao que não passava de uma brincadeira meio irresponsável de adolescentes. Em junho, os “black blocs” foram tratados por alguns bocós como “excelências”. Agora, ora vejam!, Haddad transforma organizadores de rolezinhos em vozes autorizadas, com as quais se deve negociar. Um dos rapazes confessou o que queria: apenas beijar algumas meninas na boca.

O prefeito vai demonstrando, assim, que, em São Paulo, para ser ouvido ou ter uma reivindicação atendida, basta transgredir a lei ou se impor pela violência. Se quebrar e incendiar ônibus, o reajuste da passagem é suspenso. Se erguer uma favela no meio da rua, ganha casa, salário e comida. Se promover desordem num shopping, é chamado a negociar como se fosse uma autoridade.

Não será fácil, no futuro, administrar essa herança maldita do Jânio Quadros da esquerda engomada.

Por Reinaldo Azevedo

16/01/2014

às 6:25

Haddad politiza os “rolezinhos”, empresta-lhes caráter racial, decide negociar com os organizadores e, para não variar, apaga incêndio com gasolina. Tomara que São Paulo sobreviva à sua passagem

Haddad. Pobre São Paulo! Este Jânio Quadros de esquerda teve mais uma ideia...

Haddad. Pobre São Paulo! Este Jânio Quadros da esquerda engomada teve mais uma ideia…

A impopularidade está levando o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), a uma escalada de desatinos, ainda que conte com o apoio entusiasmado de setores importantes da imprensa. Na terça, veio à luz o programa “Bolsa Crack”. Nesta quinta, ficamos sabendo que este gigante decidiu negociar com… organizadores de rolezinhos! Assim, o que tinha tudo para ser uma onda, dessas que passam — até porque os amigos e familiares dos “rolezeiros” também frequentam shoppings —, ganha um ar de coisa politicamente grave, séria.

Parece que tentar conduzir Haddad à razão não é nem fácil nem difícil; é apenas inútil.

Vamos ver. O homem decidiu elevar o IPTU de São Paulo a alturas escorchantes e não quis negociar com ninguém. Nem com os vereadores de sua própria base. A coisa acabou na Justiça. Decidiu espalhar faixas de ônibus cidade afora, onde eram e onde não eram necessárias, e também achou que não tinha de conversar. Sua reputação, hoje, na cidade, não é das melhores.

Aí ele teve uma ideia luminosa: por que não conversar com os líderes dos rolezinhos? E o prefeito escalou, então, o secretário da Igualdade Racial, Netinho de Paula, para procurar os chamados “líderes” desses eventos. Um encontro deve acontecer na Prefeitura. O conjunto da obra é de uma impressionante irresponsabilidade. Ao escalar justamente o Secretário da Igualdade Racial, Haddad está a sugerir que a cor da pele é um componente importante da questão, o que é absolutamente falso. Essa já é uma perigosa politização do caso.

Netinho diz que o prefeito vai conversar também com os shoppings para que os jovens possam frequentá-los normalmente. Ora, boa parte desses estabelecimentos, não custa notar, fica em áreas periféricas da cidade. Não se tem notícia de que pessoas tenham sido impedidas de neles entrar em razão da cor da pele, da origem social, da orientação sexual ou de qualquer outra coisa. Netinho também teve a sua ideia luminosa. Afirmou que os rolezinhos poderiam acontecer nos estacionamentos… Imaginem vocês… Centenas ou milhares de pessoas promovendo seus eventos em meio a automóveis. Seria um bom caminho para espantar os consumidores.

Grupos de esquerda, movimentos sociais, autoridades e, infelizmente, jornalistas, como alertei aqui na segunda, contribuíram para emprestar um sotaque político ao que não passava de uma brincadeira meio irresponsável de adolescentes. Em junho, os “black blocs” foram tratados por alguns bocós como “excelências”. Agora, ora vejam!, Haddad transforma organizadores de rolezinhos em vozes autorizadas, com as quais se deve negociar. Um dos rapazes confessou o que queria: apenas beijar algumas meninas na boca.

O prefeito vai demonstrando, assim, que, em São Paulo, para ser ouvido ou ter uma reivindicação atendida, basta transgredir a lei ou se impor pela violência. Se quebrar e incendiar ônibus, o reajuste da passagem é suspenso. Se erguer uma favela no meio da rua, ganha casa, salário e comida. Se promover desordem num shopping, é chamado a negociar como se fosse uma autoridade.

Não será fácil, no futuro, administrar essa herança maldita do Jânio Quadros da esquerda engomada.

Por Reinaldo Azevedo

16/01/2014

às 6:17

Bahia: no estado brasileiro em que mais se mata, Força Nacional de Segurança cuida de… pelada!

Eis Aí: Força Nacional de Segurança vigia os peladeiros de Buerarema (Folhapress)

Eis aí: Força Nacional de Segurança vigia os peladeiros de Buerarema (Folhapress)

No início deste mês, informa Severino Mota na Folha, os moradores da cidade de Buerarema, a 450 km de Salvador, decidiram organizar uma pelada, com o apoio da Prefeitura. Sob a proteção, acreditem, da Força de Segurança Nacional.

É isto mesmo: a tropa de elite federal fez a segurança de uma pelada. Na cidadezinha de 18 mil habitantes, há um efetivo da força em razão de conflitos entre índios tupinambás e fazendeiros. O Ministério da Justiça disse o óbvio: trata-se de um emprego irregular da tropa.

Lá vou eu. Segundo o Anuário de Segurança Pública com dados de 2012, a Bahia se tornou um dos estados mais inseguros do Brasil. A gestão do petista Jaques Wagner, em seu segundo mandato, é um desastre na área.

A Bahia tem a quarta maior taxa de homicídios do país por 100 mil habitantes: 40,7. Só perde para Alagoas, Pará e Ceará. Em 2012, com pouco mais de 15 milhões de habitantes, foi o estado com o maior número, em termos absolutos, de pessoas assassinadas: 5.764. Para vocês terem uma ideia, ganhou de São Paulo, onde há quase 42 milhões de habitantes.

Apesar desses dados escandalosos, é o segundo estado com o menor número de bandidos encarcerados. Só ganha do Maranhão de Roseana Sarney. Na Bahia, há apenas 134,6 presos por 100 mil habitantes acima de 18 anos. Para comparar de novo: em São Paulo, são 633,1.

Assim, prende-se pouco na Bahia e mata-se muito. Mesmo com esse quadro de descalabro, a Força Nacional de Segurança deslocou homens para vigiar uma pelada de futebol.

Como a gente pode ver, a violência absurda no estado não acontece por acaso. No século 17, o grande poeta baiano Gregório de Matos, numa crítica severa aos poderosos, mandou ver sobre a então “cidade da Bahia”.

Que falta nesta cidade?… Verdade.
Que mais por sua desonra?… Honra.
Falta mais que se lhe ponha?… Vergonha.

O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha.

Por Reinaldo Azevedo

16/01/2014

às 6:15

Governo petista do Acre agora quer impedir a imigração de haitianos. Em 2012, alunos foram obrigados a elogiá-la na autoritária e esquerdopata redação do Enem

Haitianos em Brasiléia, no Acre: governo federal incentivou a imigração

Haitianos em Brasiléia, no Acre: governo federal incentivou a imigração

O governo do Acre, liderado pelo petista Tião Viana, onde Marina Silva também é poder, agora quer que o governo federal feche as passagens da fronteira do estado com o Peru. Por quê? Para conter a invasão de haitianos. É mesmo, é? Antes de entrar no mérito da questão, vamos recorrer a um pouco à memória.

Lembram-se do tema da redação do Enem de 2012, que esculhambei aqui? Recupero o caso. Os estudantes, coitados!, foram obrigados a desenvolver o seguinte tema: “O movimento imigratório para o Brasil no século XXI”. Ainda que houvesse efetivamente um fenômeno dessa natureza, cumpria lembrar que estávamos apenas nos 12o ano do século 21! “Século”, em ciências humanas, não é só uma referência temporal. É também um tempo histórico.

Ao estudante, foram apresentados três textos de referência. Um deles tratava da imigração para o Brasil no século 19 e começo do século 20 e de sua importância na formação do país. Um segundo abordava a chegada dos haitianos ao Acre, e um terceiro tratava dos bolivianos clandestinos que trabalham em oficinas de costura em São Paulo. Tentava-se induzir os alunos a relacionar estas duas ocorrências recentes — a chegada de haitianos e de bolivianos — aos fluxos migratórios do passado, quando houve um claro incentivo oficial à entrada de imigrantes. Os fatos de agora não guardam qualquer relação de forma ou conteúdo com o que se viu no passado. Mas e daí? O Enem não está interessado em rigor intelectual — e bem poucos alunos do ensino médio teriam, com efeito, crítica suficiente para estabelecer as devidas diferenças.

Na formulação da proposta, pede-se que o aluno trate do tema “formulando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos”. Assim, exige-se do pobre que, além de defender e sustentar com argumentos uma tese estúpida, ainda se comporte como um verdadeiro formulador de políticas públicas ou, sei lá, um especialista em populações. Muito bem: digamos que um estudante seja contrário a que se concedam vistos a pessoas que cheguem clandestinas ao Brasil e que tenha defendido, na redação, seu repatriamento. Esse aluno hipotético estaria apenas cobrando respeito à lei — pela qual deve zelar o Poder Público — o mesmo Poder Púbico que realiza a prova.

Digam-me cá: a repatriação de clandestinos era uma “intervenção aceitável” para o Enem, ou o estudante estava obrigado a concordar com o examinador? A gente conhece a resposta. A repatriação, no caso, seguindo os passos das leis democraticamente instituídas no Brasil, caracteriza um atentado aos direitos humanos? Se o governo federal não sabe o que fazer com os haitianos e não consegue impedir a exploração da mão de obra barata dos bolivianos, por que alunos do ensino médio são obrigados a apresentar uma proposta?

Noto que a imigração ilegal divide opiniões no mundo inteiro e que é um absurdo, uma arrogância inaceitável, que se possa, depois de inventar uma tese, estabelecer qual é a opinião correta que se deve ter a respeito, exigindo ainda que os estudantes proponham “intervenções”, porém vigiados pelo “Tribunal dos Direitos Humanos”. Aí o bobinho esperneia: “Mas defender os direitos humanos não é uma coisa boa em si?”. Claro que é! Assim como ser favorável ao Bem, ao Belo e ao Justo. A questão é saber que tribunal decide quando “os direitos humanos” estão ou não a ser respeitados. Eu, por exemplo, considero que seguir leis democraticamente instituídas ou referendadas, segundo os fundamentos da dignidade humana (a integridade física e moral), é uma expressão eloquente dos… direitos humanos!

De tal sorte a petezada estava convicta de que o certo era permitir a entrada de quantos haitianos chegassem que a questão foi parar até na prova do Enem. Pois é…

E agora?
No Estadão Online, informa Itaan Arruda (em vermelho):
O Governo do Acre vai propor ao Governo Federal que a fronteira com o Peru seja fechada para o trânsito de haitianos. Há duas possibilidades de fechamento da fronteira: entre Assis Brasil (Acre) e Iñapari ou no Peru/Equador (entrada dos imigrantes na América do Sul). A alegação do secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos do Acre, Nilson Moruão, é que a atual situação é “insustentável” e que a “administração do caos chegou ao limite”. Nas duas possibilidades, são exigidas soluções diplomáticas. Atualmente, 1,2 mil haitianos estão abrigados em um alojamento onde cabem, no máximo, 300 pessoas. “Em nome da dignidade dessas pessoas, é preciso que nós tomemos uma atitude urgente”, adverte o secretário. “Da forma como está, aquilo ali é uma tragédia anunciada”.
O secretário de Justiça já informou ao governador do Acre, Tião Viana (PT), sobre a situação e sugeriu o fechamento da fronteira como medida emergencial. Ainda não se sabe exatamente quando o Governo do Acre formalizará o pedido. Desde 2010, a cidade de Brasileia recebe haitianos que chegam ao País pelo Acre utilizando a Carretera Interoceânica. Há três anos o fluxo de imigrantes no mês de janeiro aumenta com a expectativa de que as empresas brasileiras reativem contratos nessa época do ano. De um fluxo de 30 a 40 em meses como setembro ou outubro, o número aumenta para 70 ou 80 haitianos por dia. “Quando as empresas contratam, eles chegam e vão”, diz Mourão. “Mas, se não contratam, eles chegam e ficam”. A situação piora a cada dia. “Se um colchão daqueles pegar fogo, vai ser uma tragédia”, preocupa-se o secretário. “O Governo do Acre sempre tratou essas pessoas com dignidade, mas a administração do caos chegou ao limite”.
(…)

Retomo
E agora? O que fazer com aquele discurso “progressista” das fronteiras abertas, do “pode ir chegando que a gente vai concedendo visto”? Será que os petistas do Acre decidiram se comportar como os duros do Tea Party, nos EUA, que veem com maus olhos a imigração ilegal? Ou como a direita europeia, que reivindica medidas para coibi-la? Será, pergunte-se de passagem, que tais forças políticas são apenas malvadas?

Cada um sabe onde lhe aperta o sapato, não é mesmo? O governo federal, na prática, por declarações e omissões, acabou incentivando a entrada de haitianos ilegais. Agora, não sabe mais o que fazer. Até porque eles não desembarcam diretamente no Brasil: têm escolhido o Peru e também a Bolívia. Só depois eles se instalam no Acre. Ora, dado o recado de que a entrada e a permanência no Brasil estão asseguradas, acontece o quê? O óbvio! Mais haitianos chegarão.

Quando escrevi meu post a respeito, em 2013, fui tachado, claro, de “autoritário e reacionário”. Os “progressistas”, essa gente boa, defendem as fronteiras abertas, como a casa da mãe joana. No Brasil, nos EUA ou na Europa, certo? Eu só alertava para o fato de que o governo brasileiro estava incentivando, na prática, a vinda de haitianos e que a coisa caminharia para o colapso.

Aconteceu!
Leio agora as palavras do representantes do governo do Acre. Aconteceu! É evidente que o pedido de ajuda tem de ser encaminhado ao governo federal porque os estados não têm como tomar medidas a respeito.

Há três meses, escrevi aqui:
“Tome-se um outro tema espinhoso, como o da migração. A resposta obviamente simpática, “humanista”, é a de que ela contribui para o desenvolvimento e a cultura. Perguntem, no entanto, aos moradores de Brasiléia, no Acre, que sofre uma verdadeira invasão de haitianos em situação ilegal, para ver qual é a opinião. Aposto que a esmagadora maioria dirá que “pobres que migram acabam criando problemas para as cidades”. Isso nada tem a ver com xenofobia, racismo ou discriminação de qualquer natureza. Trata-se apenas de um fato.
Chama-se, muitas vezes, de “pensamento de direita” ou “pensamento conservador” o que é nada além de bom senso. Nesse sentido, ideologia, esta sim, é a engenharia social a que se dedicam as esquerdas, ao tentar impor um ponto de vista ancorado em convicções e crenças que insistem em desafiar a realidade.

Encerro
Afirmei, mais de uma vez, que o governo federal não poderia seguir recebendo indefinidamente haitianos — ou quaisquer outros — que entravam ilegalmente no país. Sabem como é… Lá veio a desqualificação: “Reacionário!”.

Noto que, neste janeiro de 2014, “reacionário”, então, é o governo petista do Acre, né? Como o Tea Party ou a direita europeia…

Texto publicado originalmente às 3h20

Por Reinaldo Azevedo

16/01/2014

às 6:09

Será que Dirceu deixa a cana ainda neste ano?

Dirceu ao se entregar: à Polícia Federal  cheio de "moral revolucionária"...

Dirceu ao se entregar: à Polícia Federal cheio de “moral revolucionária”…

Será que José Dirceu pode mesmo deixar a cadeia depois de 10 meses, ainda neste ano, conforme reportagem da Folha? Poder, vá lá, até pode, mas não sei se vai. Depende de algumas coisas.

A pena original do chefe do mensalão é de 10 anos e 10 meses. Acontece que a condenação por formação de quadrilha ainda depende do julgamento dos embargos infringentes. A sua pena hoje, já com trânsito em julgado, por corrupção ativa, é de 7 anos e 11 meses. Caso ele venha a ser absolvido do crime de quadrilha, poderá passar para o regime aberto — aquele em que o condenado tem apenas de dormir na casa do albergado. Como faltam albergues no país, os juízes costumam autorizar o cumprimento em casa — na prática, é prisão nenhuma.

Dirceu está condenado hoje a 95 meses de prisão. Pode pedir a progressão do regime depois de cumprir um sexto — no caso,  um ano e quatro meses. Se lhe for concedida autorização para trabalhar, poderá reduzir a pena. Feitas as contas de todos os benefícios, há, sim, uma possibilidade de ele deixar o regime fechado depois de 10 meses de cadeia apenas.

Por quê? Quem trabalha desconta um dia de pena a cada três trabalhados. O mesmo vale para quem estuda. A leitura de livros também vira benefício: quatro dias podem ser descontados a cada mês se o preso ler um livro e apresentar uma resenha. Essa pena tão curta, portanto, depende de ele cumprir algumas tarefas. Considere-se que a autorização para deixar a cadeia para trabalhar não é automática. Depende da avaliação da Justiça.

Mas atenção! Caso o STF rejeite os embargos infringentes no seu caso, aí estará criada uma questão: a sua pena volta a ser de 10 anos e 10 meses. Acima de oito, o regime é necessariamente fechado. Como será feita a conta dos meses cumpridos em regime semiaberto?

Assim, que fique claro: a possibilidade de Dirceu deixar o Presídio da Papuda ainda neste ano depende da sua dedicação ao estudo e ao trabalho e de ser absolvido pelo STF do crime de quadrilha. Em suma, a coisa depende menos do esforço em favor de si mesmo do que do esforço de alguns ministros do tribunal em favor do mensaleiro.

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 21:21

Shoppings bloquearam páginas de rede social para evitar rolezinhos

Por Giba Bergamin Jr, na Folha Online:
Shoppings da capital paulista conseguiram bloquear páginas no Facebook de convocação para “rolezinhos”. A informação foi confirmada pelo presidente da Abrasce (associação que reúne shoppings do país), Luiz Fernando Veiga. O presidente disse nesta tarde em entrevista a jornalistas que os shoppings estão tomando medidas individualmente para conter futuros eventos. Ele não soube informar quais são os shoppings que conseguiram retirar as páginas.

Ele afirmou que não há orientação da entidade para, por exemplo, o ingresso de liminares na Justiça para barrar os ‘rolezinhos’ sob pena de multa, como foi feito pelos shoppings Metrô Itaquera, JK e Campo Limpo. “Escutei isso [sobre o bloqueio de páginas] de dois ou três associados que pediram a retirada de informações”, disse Veiga, sobre o bloqueio das páginas. Ele não soube dizer se a retirada das páginas foi por meio da Justiça ou através do próprio Facebook.

Segundo ele, as postagens de participantes tinham conotações que falavam em uso de droga e crimes. “Você leva a tua maconha que eu levo a minha e a gente fuma no shopping”, dizia um dos textos, segundo o presidente.

Whatsapp
Segundo ele, mesmo sem as páginas no Facebook, é muito difícil evitar os atos. “Porque eles saem do Facebook e vão para o Whatsapp. São atitudes de prevenção e eu costumo dizer o seguinte: pelo menos são obstáculos. Havia ameaças concretas de ilegalidade [das pessoas que escreviam na rede social] ” explicou. Ele afirmou que, embora as informações contábeis de shoppings sejam sigilosas, os centros comerciais já estimam prejuízos.

Questionado sobre se houve preconceito de alguns seguranças, que pediram RG de clientes na entrada do shopping JK e sobre truculência de seguranças em Itaquera, Veiga disse que não é verdade. “Não há discriminação. Filhos de amigos meus que são de classe A também mostraram RG”, disse.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 20:51

Em primeira reunião do ano, Copom eleva Selic em 0,5 ponto percentual, para 10,50%

Por Talita Fernandes, na VEJA.com:
O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) aumentou em 0,5 ponto porcentual, para 10,5% ao ano, a taxa básica de juros (Selic) nesta quarta-feira, em decisão unânime, sem viés — ou seja, a decisão é válida até o próximo encontro, em fevereiro de 2014. Trata-se da sétima elevação consecutiva do juro básico da economia desde o início do ano passado. A trajetória de alta teve início em abril, quando a autoridade monetária subiu a Selic de 7,25% (mínima histórica) para 7,5%. As previsões sobre a decisão desta quarta dividiram analistas, que também apostavam em elevação de 0,25 ponto porcentual, aguardando uma redução no ritmo de alta. Trata-se da maior taxa de juros desde janeiro de 2012. Votaram por essa decisão o presidente do BC, Alexandre Tombini, e os diretores Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Carlos Hamilton Vasconcelos Araújo, Luiz Awazu Pereira da Silva, Luiz Edson Feltrim e Sidnei Corrêa Marques. Assim como no encontro do Comitê em dezembro, o comunicado divulgado junto com a nova taxa não deu qualquer sinalização sobre as razões que nortearam a decisão. Houve apenas uma pequena mudança: o documento informa que o BC optou pela elevação da taxa “neste momento”.

Para a analista da Tendências Consultoria Alessandra Ribeiro, a manutenção do ritmo de aperto monetário — de 0,5 ponto percentual — foi motivada pelo cenário inflacionário e pelo câmbio. “A trajetória do câmbio continua uma grande incógnita. Ela segue pressionada, e os riscos são de uma depreciação maior do real. Além disso, pesa a inflação, cuja piora vista em 2013 já refletiu na mudança de expectativa do Focus”, afirma.

Na última sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a inflação oficial encerrou o ano passado com alta de 5,91%. O dado veio acima da expectativa do mercado, de 5,74%, e da meta informal do BC, que vinha prometendo que o indicador ficaria abaixo do visto em 2012, de 5,84%. A divulgação do dado de 2013 já pesou na estimativa dos analistas para o IPCA este ano: que passou de 5,97% para 6%. Embora alguns analistas esperassem uma diminuição do ritmo de alta da Selic na primeira reunião do ano, Alessandra acredita que a autoridade monetária deixou o tema “no ar” em seus últimos comunicados ao mercado, como ata do Copom e Relatório de Inflação. “Não houve, de fato, um comprometimento de redução do ritmo. O BC só abriu espaço para isso”.

A estratégia da autoridade monetária, segundo analistas, é deixar o caminho aberto para novas subidas, como forma de tentar conter o ímpeto inflacionário. Contudo, apenas a ação do BC não se mostra suficiente, diante da ineficácia das inúmeras medidas anti-inflacionárias adotadas pelo governo ao longo de 2013, como a redução da conta de luz e os tímidos reajustes nos preços dos combustíveis. No lado fiscal, nenhum ajuste relevante foi implementado como forma de reduzir o consumo do governo. Alessandra acredita que, ainda que os efeitos do aperto monetário de 2013 impactem a economia em 2014, devido à ação retardada da alta dos juros sob a inflação, o IPCA não deverá ceder. “A política monetária age com uma defasagem mesmo. É esperada alguma desaceleração dos preços livres para este ano. Mesmo assim, estimamos IPCA em 6% para 2014″, afirma.

Paulo Gala, estrategista da Fator Corretora, acredita que a opção por alta de 0,5 ponto percentual tenha acontecido em um cenário de credibilidade abalada do BC, depois que a meta prometida pelo presidente da autoridade monetária, Alexandre Tombini, não foi alcançada. Tombini disse várias vezes ao mercado que entregaria no ano passado uma inflação menor do que apurada em 2012 (5,84%). “O cenário realmente justificaria qualquer um dos movimentos”, comenta. Os sinais de arrefecimento da atividade econômica nos últimos trimestres do ano passado, para ele, poderiam justificar um aperto menor, de 0,25 ponto percentual.

Juros baixos não vingaram
O governo Dilma terminou seu terceiro ano com um gosto amargo no que se refere à política monetária. Depois de “tratorar” o BC para forçar a redução dos juros ao patamar de 7,25% em 2012 — e também induzir os bancos privados e estatais a reduzir suas taxas, usando como veículo o Banco do Brasil —, a presidente terminou 2013 com um verdadeiro choque de realidade. Juros baixos são resultado de política monetária consistente, com inflação no centro da meta, estabilidade cambial e contas públicas ‘saudáveis’, sem maquiagens. Hoje, não há vestígio de nenhum desses pilares.

O ajuste fiscal — uma das ferramentas mais eficazes (e impopulares) de conter o avanço inflacionário, já que resulta em cortes de despesas do governo — está fora da cartilha do ministro da Fazenda, sobretudo porque pode resultar em desaceleração da economia num período em que o crescimento está distante do esplendor. Tal alternativa se torna ainda menos factível às vésperas do pleito eleitoral.

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 20:05

Os rolezinhos e as taras dos esquerdopatas

“Não vai escrever sobre o rolezinho?”, perguntam-me. Como não? Já escrevi. Precisamente às 6h39 de segunda-feira! Não mudei de ideia a respeito nem vi nada de novo. Republico.
*
A esquerda bocó já está de olho no “rolezinho”…

Esquerdistas bocós (existem os não bocós?) já estão de olho no “rolezinho”. Aqui e ali, noto a vocação ensaística de alguns dos meus coleguinhas na imprensa. Já há gente, assim, treinando o olhar para teorizar sobre mais essa erupção — e irrupção — da luta de classes. É fácil ser bobo. Fosse mais difícil, não haveria tantos bobalhões. Daqui a pouco o Gilberto Carvalho chama os teóricos dos “rolezinhos” para um bate-papo no Palácio do Planalto.

O “rolezinho”, que até pode ter começado como uma brincadeirinha irresponsável nas redes sociais, está começando a virar, vejam vocês!, uma questão política — ao menos de política pública. A coisa pode ser tornar mais séria do que se supõe. Infelizmente, noto que muita gente, inclusive na imprensa, está tentando ver essas manifestações como se fossem uma espécie de justa revolta de jovens pobres contra templos de consumo da classe média.

Isso é uma tolice, um cretinismo. Os shoppings têm se caracterizado como os mais democráticos espaços do Brasil. São áreas privadas de uso público, muito mais seguras do que qualquer outra parte das cidades brasileiras. Os pais preferem que seus filhos fiquem passeando por lá a que façam qualquer outro programa, geralmente expostos a riscos maiores. É uma irresponsabilidade incentivar manifestações de centenas ou até de milhares de pessoas num espaço fechado. Ainda que parte da moçada queira apenas fazer uma brincadeira, é evidente que marginais acabam se aproveitando da situação para cometer crimes, intimidar lojistas e afastar os frequentadores.

Esse negócio de que se trata de uma espécie de revolta dos pobres contra os endinheirados é uma grossa bobagem. Boa parte dos shoppings de São Paulo, hoje em dia, serve também aos pobres, que ali encontram um espaço seguro de lazer. A Polícia precisa agir com inteligência para que se evite tanto quanto possível o uso da força. É necessário mobilizar os especialistas em Internet da área de Segurança Pública para tentar identificar a origem dessas convocações.

É preciso, em suma, chegar à raiz do problema. As redes sociais facilitam essas manifestações, como todos sabemos, mas é evidente que elas não são espontâneas. Há pessoas convocando esse tipo de ação, que pode, sim, como se viu no Shopping Metrô Itaquera, degenerar em violência.

No dia em que os shoppings não forem mais áreas seguras, haverá fuga de frequentadores, queda de vendas e desemprego. E é certo que estamos tratando também de um sério problema de segurança pública. Num espaço fechado, em que transitam milhares de pessoas, inclusive crianças, os que organizam rolezinhos estão pondo a segurança de terceiros em risco.

E que ninguém venha com a conversa de que se trata apenas do direito de manifestação num espaço público. Pra começo de conversa, trata-se, reitero, de um espaço privado aberto ao público, que é coisa muito distinta. De resto, justamente porque os shoppings têm essa dimensão pública, não podem ser privatizados por baderneiros que decidiram ameaçar a segurança alheia.

Encerro notando que o Brasil precisa ainda avançar muito na definição do que é público. Infelizmente, entre nós, muita gente considera que público é sinônimo de sem-dono. É justamente o contrário: o público só não tem um dono porque tem todos.

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 19:12

“Stendhal” quer saber por que a imprensa é tão simpática à cultura das drogas

Ele era Jimi Hendrix por causa das drogas ou apesar delas?

Ele era Jimi Hendrix por causa das drogas ou apesar delas?

Um leitor que se identifica como Henri-Marie Beyle — é claro que ele está brincando, né?, porque esse era o nome verdadeiro do grande Stendhal! — envia uma pergunta: “Reinaldo, por que a imprensa brasileira é tão condescendente com programas que, em vez de combater a dependência química, a reforçam? De onde vem isso?”

Xiii, meu caro Stendhal!!! A resposta não é simples. Não se esgota em um post. Não se esgota em milhares.

Na base dessa convicção estúpida, está a maconha, que ganhou o estatuto, e não só no Brasil, de uma categoria de pensamento. A repressão ao consumo dessa droga é confundida com o cerceamento, acredite!, da liberdade de expressão. Por quê? Parcela considerável dos, vá lá, contestadores do establishment nos anos 1960 e 1970 — especialmente na Europa e nos EUA — consumiam maconha; a erva era tida como expressão de rebeldia, da luta “contra o sistema”. Diga-me, meu caro Stendhal: há coisa mais patética do que maconheiro velho posando de rebelde em pleno 2014? Contra quê? Contra quem?

Como já escrevi aqui há muito tempo, e Ferreira Gullar voltou a lembrar em artigo recente na Folha, a geração que tomava a maconha como símbolo da liberdade está no poder no Brasil e no mundo. Para muitos, reprimir o seu consumo parece corresponder à morte de um sonho. Não é o caso de Dilma, por exemplo. A droga que ela consumia era outra; suas alucinações eram de outra natureza, como sabemos bem. Ela não consumia mato seco, mas Carlos Lamarca; não pensava na sociedade sem estado, mas na ditadura comunista. De todo modo, pertence, a exemplo de FHC, àquela geração que queria mudar o mundo — no caso dos comunistas, para muito pior. Mas a versão que passou para a história foi outra. Não quero perder o fio. Retomo.

Os apologistas da maconha, ainda que por razões sentimentais, não têm como argumentar logicamente que essa droga deva ser descriminada ou legalizada sem que o mesmo aconteça com as demais. Até porque o principal argumento — de que a proibição só alimenta o poder do narcotráfico — só para de pé se todas as substâncias hoje consideradas ilegais forem liberadas. Todo mundo sabe que a maconha está longe de ser a principal fonte de renda dos carteis internacionais de droga. Ainda é a cocaína.

Assim, o primeiro pilar em que se sustenta a cultura da droga é a suposta defesa da liberdade individual.

Já escrevi aqui que acho esse discurso sedutor e que tenderia até a aderir a ele não fosse o fato de que as consequências do consumo da droga recaem sobre o conjunto da sociedade. Não por acaso, os mesmos que advogam a descriminação dessas substâncias não tardaram a aderir à “medicalização” do discurso, fazendo uma curiosa fusão de leituras do mundo que, em si, são contraditórias.

Se a droga deve ser vista como matéria de liberdade individual, de escolha, então a dependência — em qualquer grau — tem de ser encarada como consequência dessa opção, certo? Mas quê… A um só tempo, os partidários da descriminação gritam “liberdade para consumir!” e “tratamento público e gratuito para os dependentes”. A cidade de São Paulo, como se sabe, acaba de dar um passo rumo ao abismo: passou a financiar com dinheiro público o consumo de crack. Ainda que se tente dourar a “pedra”, a consequência é essa.

A cultura da droga tem, então, na ‘medicalização” do discurso o seu segundo pilar, que convive, num milagre da engenharia argumentativa, harmoniosamente com o outro, o da liberdade individual. Ora, ora, pressuposto do exercício da liberdade é que o indivíduo arque com as consequências de suas escolhas, certo? Não no caso das drogas.

E há um terceiro pilar, talvez o mais deletério deles porque não pode ser submetido a nenhuma forma de abordagem racional. Consolidou-se o mito estúpido, especialmente dos anos 1960 para cá — quando setores importantes da academia e da imprensa resolveram marginalizar a alta cultura em favor da rebeldia pop —, de que as drogas são uma espécie de portal para áreas mais profundas da consciência, de onde se poderiam extrair verdades, que de outro modo, não viriam à tona; onde aconteceriam, sei lá, sinapses que não se realizariam sem o concurso daquelas substâncias.

Combater, então, o consumo de drogas — ou tentar impedi-lo — seria como vetar o acesso a uma intimidade de verdades recônditas; seria como censurar o “eu profundo” que habitaria cada um de nós. Pior: no universo da cultura pop, a droga é considerada a causa da “genialidade” dos artistas. Ora, uma abordagem racional, objetiva, técnica indicaria, citarei alguns, que Janis Joplin, Jimi Hendrix, Jim Morrison ou Kurt Cobain “aconteceram” APESAR DAS DROGAS, JAMAIS POR CAUSA DELAS.

Não é esse, no entanto, o saber firmado inclusive em setores da imprensa que escrevem a respeito. Há uma deletéria e maléfica glorificação, ainda que sub-reptícia e um tanto oblíqua, do vício. A droga se torna, assim, uma espécie de valor simbólico, que seduz adolescentes e jovens, levando-os muitas vezes a crer — por mais que tentem sofisticar o discurso — que, se consumirem as mesmas porcarias que aqueles consumiam, conseguirão, senão a mesma projeção, ao menos a mesma, vá lá, “profundidade’. Ora, é evidente que as drogas não fizeram com que as pessoas acima citadas se tornassem o que se tornaram na cultura pop. As drogas as mataram — de vício ou bala.

E a imprensa? Seu papel é mesmo vigiar o poder, contestá-lo, apontar ineficiências e desmandos. Tomar, no entanto, a ilegalidade das drogas como expressão de uma vontade autoritária do “poder” é uma simplificação estúpida. Programas como o de Fernando Haddad — ainda que essencialmente irracionais e contraproducentes, porque resultará numa elevação do consumo de drogas — são bem-recebidos pelos jornalistas, independentemente de seus méritos, porque lhes parece que o estado teria, finalmente, decidido se reconciliar com a sociedade, numa abordagem supostamente “humana” da questão. Afinal, ele concilia o exercício do suposto “direito” de consumir (nota: não existe esse “direito”) com a devida assistência.

Mais: na prática, a Prefeitura descrimina o consumo das substâncias ilícitas e “abre os braços” para os dependentes, o que reforça aqueles três pilares sobre os quais se assenta a cultura da droga: a liberdade, a assistência e a nova sensibilidade.

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 17:12

Fernando Haddad e o “Bolsa Crack”: de “Braços Abertos” para o vício e o tráfico, agora estatizados

Roberto Porto: erros novos e nenhum acerto antigo

Roberto Porto: erros novos e nenhum acerto antigo

A Prefeitura de São Paulo acaba de criar o programa “Bolsa Crack”. Passou a pagar R$450, inicialmente, para um grupo de 300 dependentes. Não há condicionalidade nenhuma. Nada lhes está sendo cobrado. Eram os moradores da favelinha criada no meio da rua na gestão Fernando Haddad. Para que saíssem de lá, a administração decidiu oferecer compensações: além do dinheiro, moradia gratuita em hotéis e três refeições por dia. Há só uma pequena exigência: que trabalhem, sabe-se lá como e em quê, quatro horas por dia. Terão ainda a chance de duas horas diárias de curso de requalificação — mas essa parte é volitiva. Podem recusar. O mais grave de tudo: não são obrigados a se tratar. Corolário: ser viciado e montar uma favela no passeio público é caminho para obter compensações que os simplesmente pobres não teriam: é preciso ser viciado. Em qualquer país do mundo, um programa assim seria um escândalo. Por aqui, é aplaudido pelos apologistas da cultura da droga. Os prazeres malditos são de quem consome. A conta vai para quem trabalha, para quem produz. Haddad condenou para sempre o Centro da cidade. O programa, de resto, vem acompanhado de um discurso extremamente arrogante.

Ontem, ouvi na Jovem Pan a entrevista de Roberto Porto, o promotor de Justiça que foi feito secretario de Segurança do município, uma pasta criada por Haddad. Como ele é definido em alguns perfis, é um homem refinado, amante dos bons vinhos. Bom pra ele. Os moradores do Centro já não têm liberdade para tomar uma coca-cola no boteco. Já o doutor, ao fim de cada jornada, pode tentar identificar o apelo de cereja num bom merlot, a memória da amora naquele syrah especial, o pronunciado sabor de ameixa do malbec… Não é um desses “progressistas” sem lustro e sem lastro, entendem? É amigo de alguns poderosos da imprensa e sabe usar o telefone.

Porto é chegado à prática de demonizar os que vieram antes dele para tentar exaltar os próprios feitos — muito especial. Tem dito por aí que o programa da Prefeitura é supimpa porque vai fixar os viciados no Centro de São Paulo; segundo disse, eles não vão se espalhar por aí. Mais do que isso: afirmou que um viciado pode fumar, o que é verdade, 30, 40 pedras de crack por dia. Se, com o programa, chamado “Braços Abertos”, passar a fumar 15 ou 20, então a ação da Prefeitura já se justifica. Ele acha que isso é “redução de danos”. Aguardo o momento em que, seguindo essa linha, Dráuzio Varela venha a público para recomendar que o viciado fume um pouco menos de cigaros para… reduzir danos! 

Pergunto:
a: dada a natureza do programa, por que o dependente passaria a consumir 15 ou 20 em vez das 30 ou 40? Este “reegenheiro” da alma humana e da dependência resolveu dar mais dinheiro a viciados em crack, não lhes impondo tratamento nenhum, na esperança de que passem a consumir menos, é isso?

b: então o secretário confessa que o Centro de São Paulo passou a ser, agora no papel, agora oficialmente, área privada de consumidores — e, pois, de traficantes —, que ficarão concentrados por ali mesmo, “sem se espalhar”? Segundo ele disse, a Prefeitura não quer incidir em erros cometidos antes. Claro que não! Só os erros novos, mas sem nenhum dos acertos do passado.

c: se viciados passaram a ter direitos especiais, não concedidos a nenhum outro grupo socialmente vulnerável, como se diz por aí, doutor Porto deveria expilicar por que, então, a cidade de São Paulo não se tornará um polo de atração de dependentes.

Mas quê… O homem é influente, sabem? É um dos queridinhos do jornalismo politicamente correto e de outro nem sempre correto factualmente, mas sempre muito convicto.

No caso de setores importantes da imprensa, o escândalo, digamos, técnico está em outro lugar, está em não evidenciar o óbvio. Só na Cracolândia da região central de São Paulo, há cerca de 2 mil usuários — não estou contando os barracos e barracas que se espalham cidade afora, na linha “vale tudo” (só não vale tratar os dependentes). O tal programa “Braços Abertos” atende a 300 dependentes, só aqueles que criaram a favelinha.

E o doutor Porto está convicto de que ruins eram aqueles que vieram antes deles.

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 14:31

Jeito Marina de fazer política pode tirar de Campos o seu ÚNICO aliado até agora…

O PPS é um pequeno partido, mas tem peso moral na política brasileira. Para Eduardo Campos, governador de Pernambuco e provável candidato do PSB à Presidência, tem especial valor porque, até agora, é o único aliado conquistado. Hoje ao menos, fica difícil enxergar algum outro.

Pois bem, o jeito Marina Silva de fazer política pode levar Campos a perder esse aliado único. A seção paulista do PPS, que foi decisiva para que o partido escolhesse Campos — parte considerável defendia o apoio ao tucano Aécio Neves —, quer rever a decisão caso o PSB resolva mesmo romper a aliança com os tucanos em São Paulo, conforme exige a chefe da Rede.  Um líder que não consegue um único aliado, parece-me, define o alcance da própria candidatura.

Engraçada essa Marina Silva. No seu Acre natal, ela não vê necessidade nenhuma de construir uma alternativa. Há 15 anos está aboletada no poder no Estado, junto com os irmãos Viana. Por lá, ela está com o PT e fim de papo. Considerando o seu peso nacional e internacional — na imprensa ao menos —, deveria botar pra quebrar e mostrar como é essa tal “nova política”.

No Acre,  ela se contenta com a velha mesmo. E, reitero, não é assim tão popular. Na eleição presidencial de 2010, Serra conquistou 52,13% dos votos no Estado; em segundo lugar, Dilma ficou com 23,92%; em terceiro, Marina obteve apenas 23,45%.

Não sei, não… É justo ter a impressão de que a ex-senadora prefere um Campos realmente isolado. Quem sabe ele desista. Isso talvez explique a relutância da Rede em declará-la, desde já, candidata a vice na chapa.

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 4:33

LEIAM ABAIXO

Os detalhes macabros da Bolsa Crack do PT. Ou: Em SP e no Brasil, ser viciado é moralmente superior a ser pobre. Ou: Haddad consolida parte de sua herança maldita: o Centro foi entregue para sempre a viciados e traficantes;
Onda de “rolezinhos” deixa Dilma e shoppings em alerta;
PPS quer rever apoio a Campos caso ele ceda à exigência de Marina e rompa aliança com o PSDB em SP;
Agora é fato: Haddad criou o “Bolsa Crack” em São Paulo e decreta que o Centro não será revitalizado — não enquanto ele for prefeito ao menos…;
PT está rindo, e não é à toa, com a atuação de Marina Silva, hoje sua aliada objetiva. Ou: Cavalgando pterodáctilos, como em Avatar;
PGR pede que TSE reveja resolução que limita ação do MP;
O PMDB deixando o governo? Mera bravata!;
Agora Justiça dá 60 dias para Roseana construir presídios… Parece brincadeira!;
Indústria: um espeto de US$ 105 bilhões, mas com muito prestígio político!;
— Um direito, para ser humano, tem de ser de alguma “minoria” influente entre esquerdopatas. Gente pobre que trabalha que se dane! Ou: O outro crime cometido no Maranhão!;
— O papa, o aborto e as coisas estúpidas que se escreveram e se escrevem a respeito;
— Polícia de SP abre inquérito para investigar “rolezinhos”;
— Exportações do agronegócio somaram quase US$ 100 bilhões em 2013; saldo positivo do setor foi de US$ 82,91 bilhões;
— #naovaitercopa X #vaitercopa. Ou: Na melhor das hipóteses, o confronto entre tolos e oportunistas; na pior, é tudo coisa de vigaristas;
— O Bolsa Família e os “vagabundos” de Lula, que não plantavam mais macaxeira;
— Por que o número de beneficiários do Bolsa Família só cresce;
— Marina e Campos: ela é comensal, mutualista ou parasita? Ou: Como a chefona da Rede aposta, desde já, na derrota do “aliado”

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 4:02

Os detalhes macabros da Bolsa Crack do PT. Ou: Em SP e no Brasil, ser viciado é moralmente superior a ser pobre. Ou: Haddad consolida parte de sua herança maldita: o Centro foi entregue para sempre a viciados e traficantes

Haddad: ele entregou para sempre o Centro de SP ao consumo e ao tráfico de drogas

Haddad: ele entregou para sempre o Centro de SP ao consumo e ao tráfico de drogas

As palavras são fortes, sim, mas, infelizmente, as coisas precisam ser classificadas segundo aquilo que são. A Prefeitura de São Paulo deu início a um programa que me parece moral, filosófica e tecnicamente criminoso de suposto combate ao crack. Por que “suposto”? De fato, a gestão do petista Fernando Haddad deu início, nesta terça, ao financiamento público do consumo de crack. Agora é para valer: está criada a “Bolsa Crack”. E, como sempre, os que trabalham, os que levam uma “vida careta”, passarão a financiar o consumo dos viciados, que não terão nem mesmo de se submeter a tratamento para receber salário, comida e moradia gratuitas. A cidade de São Paulo se torna, assim, o paraíso dos traficantes e continuará a ser o inferno dos dependentes — mas, agora, em fase de estatização. É isto: a sede estatizante do PT chegou ao crack. O presidente do Uruguai, José Mujica, é um doidivanas, mas é intelectualmente mais honesto.

A primeira grande impostura
Vamos ver o que a Prefeitura decidiu fazer e analisar as medidas no detalhe. O Jornal Nacional levou ao ar nesta terça uma reportagem bastante favorável ao programa da Prefeitura. Faz sentido. A emissora está ligada a grupos e entidades que defendem a descriminação das drogas e se opõem à internação de viciados. Já escrevi posts a respeito. Ok. As pessoas e as emissoras são livres pra ter as suas crenças.

Mas não estão livres dos fatos. O texto do Jornal Nacional começou assim:
“A cidade de São Paulo começou, nesta terça-feira (14), mais uma tentativa de combater o consumo de crack. Dependentes químicos vão ganhar hospedagem, alimentação e emprego.
Os barracos de madeira e lona na região da Cracolândia começaram a ser desmontados durante a tarde. Uma nova tentativa de acabar com a Cracolândia, que concentra dependentes de crack no centro da cidade. A partir de agora, 300 vão receber ajuda desse novo programa.”

Epa! Se o objetivo, como se anuncia acima, é “acabar com a Cracolândia”, então é preciso apontar a primeira impostura: o público volante da região é de… DUAS MIL PESSOAS, NÃO DE 300. Se o programa, então, pretende extinguir a Cracolândia oferecendo emprego, comida e moradia a 300 viciados, cumpre perguntar o que pretende fazer com os outros… 1.700! Uma coisa, pois, é a convicção, a escolha ideológica ou sei lá como chamar. E outra pode ser a verdade. Assim, a primeira grande mentira do programa está no seu alcance. Vai atingir apenas 15% dos frequentadores da área.

E que publico é esse?

A segunda grande impostura
Justamente aquele que passou a construir barracos em pleno logradouro público, no chamado quadrilátero da Luz, nas ruas Helvétia e Dino Bueno e Alameda Cleveland. O leitor de outras cidades e estados talvez não saiba. Com a chegada do PT ao poder na cidade e a determinação da Prefeitura de não mais “reprimir” o consumo de drogas, os viciados voltaram a ocupar hotéis caindo aos pedaços, casas abandonadas, praças e calçadas. E deram início à construção de uma “favela do crack” nas ruas, como se pode ver na foto abaixo.

favela da cracolândia

O programa que agora tem início, pois, busca atender apenas esses viciados. Assim, está para ser provada a tese do Jornal Nacional de que se trata de, como é mesmo?, “uma nova tentativa de acabar com a Cracolândia”. Não! A Prefeitura está tentando é acabar — e ela logo vai voltar, já digo por quê — com a favela do crack que surgiu logo nos primeiros meses da gestão Fernando Haddad.

Não há programa nenhum para as centenas de pessoas que se concentram na praça Sagrado Coração de Jesus. Aliás, até a Guarda Municipal saiu de lá. Agora, aquela praça é dos viciados e traficantes como o céu é do condor.

Ao Jornal Nacional, José de Filippi Junior, secretário municipal de Saúde, afirmou, num tom quase carnavalesco: “O tratamento é pra que essa pessoa reconstrua sua vida. Reconstrua a vida dela e possa ver que ela pode ser feliz. Que possa buscar no trabalho, no emprego, a reestruturação dos amigos, da família e a saúde. Acho que é um passo importante pra isso, buscar o seu bem-estar integral”. É preciso ter estômago forte. De que TRATAMENTO este senhor está falando? 

 A terceira grande impostura
E como é que se decidiu pôr fim à favela? Ora, premiando com emprego, salário, comida e moradia gratuitas aqueles que decidiram criá-la. Eles foram cadastrados e “convencidos” a deixar os seus barracos. Em troca, terão de trabalhar apenas quatro horas por dia na conservação de logradouros públicos, além de dedicar duas horas  a cursos de qualificação. Mas essa segunda parte não é obrigatória. Receberão, a cada dia, R$ 15 — ao fim do mês, note-se, o benefício será maior do que a maioria do que paga, per capita, o Bolsa Família: como sábados e domingos são remunerados, serão R$ 450 mensais. Ser viciado, em São Paulo e no Brasil, é moralmente superior a ser apenas pobre. Entenderam?

A coisa não para por aí. Os viciados do Bolsa Crack de Fernando Haddad terão vantagens que os beneficiários do Bolsa Família não têm: vão morar de graça em hotéis do Centro especialmente preparados para isso, e terão direito a três refeições por dia. A forma de pagamento é a “semanada”: a cada semana, o dinheiro será depositado numa conta, a ser movimentada com um cartão.

Ao todo, o beneficiário terá de dedicar apenas quatro horas do seu dia ao “programa” — que poderão ser seis caso faça o curso. Se começar, sei lá, às 9h, já estará livre às 15h. Pra quê? É uma boa pergunta. Ora, se os que decidiram criar a “favela do crack” receberam como recompensa emprego, salário, casa e comida, o que impede outros de recorrerem aos mesmos métodos para ter benefícios idênticos? Cada um deles custará R$ 1.086 à Prefeitura. O programa do governo do Estado paga, sim, para os que participam do programa Recomeço. Mas eles são obrigados a se tratar, e o pagamento é feito à comunidade terapêutica, não ao viciado.

A quarta grande impostura
O aspecto mais deletério — e eticamente asqueroso — do programa de Haddad é que os viciados não serão obrigados a se tratar. No Jornal Nacional, Luciana Temer, secretária de Assistência Social, dizia orgulhosa: “Foi absolutamente voluntário. Quem quer participar, quem não quer participar. É um grande desafio, mas é um caminho que estamos buscando”.

Isso tudo é música — macabra! — para os ouvidos do que chamo de “militantes da cultura da droga”. No Brasil e em várias partes do mundo, considera-se, no fim das contas, que consumir tais substâncias é uma questão de escolha e de direito individual. Posso até flertar com essa ideia; aceito discuti-la. O que me pergunto, então, é por que a sociedade tem de arcar com as consequências e com os custos quando, digamos, algo dá errado?

Se estamos tratando de uma escolha individual, que cada um faça a sua! Mas não pode morar no logradouro público. Não pode receber um salário por isso. Não pode comer de graça por isso. Não pode morar de graça por isso. Se, no entanto, o estado tiver de arcar com as consequências, então ele tem o direito de fazer exigências.

A quinta grande impostura
Pesquisem, conversem com especialistas. Crack não é maconha. Crack não é cocaína. Crack não é, se quiserem, cigarro, analgésico ou diazepínico, para citar drogas legais. A possibilidade de um viciado deixar a droga sem ajuda médica — e o concurso de alguns fármacos — é praticamente nula. Mais: não existe uma forma, digamos, minimamente digna de conviver com o consumo da pedra. Ela rouba a vontade, os valores, a ética, a moral, tudo.

Tenho lido bastante a respeito. Estudos empíricos, especialmente ligados à área da psicologia comportamental, indicam que a remuneração — em dinheiro mesmo — pode ter um papel importante no tratamento de um viciado. Mas atenção! Para que a tática funcione, são necessárias precondições que absolutamente não estão dadas no caso.

Terapeutas e psiquiatras têm obtido respostas positivas quando passam a remunerar viciados em troca da abstinência. Trabalha-se com a ideia da recompensa — a punição, no caso, é só a cessação do benefício. A cada vez que cumpre etapas de uma sequência de desafios — que incluirão, no seu devido tempo, a abstinência —, é remunerado por isso. Se falha, então não recebe. Mas atenção! Isso se faz em situações de absoluto controle. É preciso que o paciente seja rigorosamente acompanhado. Para começo de conversa, ele tem de estar ancorado numa estrutura familiar ou similar — uma comunidade terapêutica, por exemplo. Não pode respirar um ambiente em que a droga é dominante.

O programa de Haddad fornecerá a dependentes químicos que já romperam laços familiares e de amizade fora do mundo das drogas conforto, comida e dinheiro SEM EXIGIR DELES NADA EM TROCA. De resto, os consumidores da Cracolândia têm renda. Fazem bicos, trabalham como catadores, praticam pequenos furtos… Há pessoas que chegam a consumir mais de R$ 50 por dia em pedras. O dinheiro que Haddad vai lhes fornecer, assim, atuará como uma renda suplementar. Não há um só especialista em dependência química com um mínimo de seriedade que possa endossar isso.

A sexta grande impostura
Atentem agora para uma questão de lógica elementar. Se o programa não exige que o beneficiário faça tratamento contra dependência química, pouco importa, pois, para a Prefeitura se ele consome crack ou não, certo? Está, no fim das contas, ganhando salário, moradia e comida porque resolveu criar uma favela no logradouro público.

Estão dadas as condições para que os chamados movimentos de sem-teto comecem a reconstruir a favela dentro de alguns dias — sejam viciados ou não. Ora, se Haddad oferece benefícios sem nenhuma condicionalidade, por que não atender, então, eventuais pessoas que, não tendo teto, também não consumam drogas? O prefeito não seria perverso a ponto de exigir que as pessoas se tornem viciadas para poder receber o agrado, certo?

A sétima grande impostura
Na campanha eleitoral, o então candidato do PT prometeu um programa de fôlego contra o crack, em parceria com a presidente Dilma Rousseff. Agora vemos o que o homem tinha em mente. Não se enganem: essa história do tratamento volitivo, do “procura ajuda quem quer”, é, no fim das contas, economia de dinheiro. É EVIDENTE QUE É MUITO MAIS BARATO FINANCIAR O VÍCIO DO QUE FINANCIAR A CURA, COMO TENTA FAZER O GOVERNO DO ESTADO

Os vigaristas intelectuais no Brasil chamam a essa porcaria de “política de redução de danos”. Pesquisem. A redução de danos — embora eu não a aprove — é outra coisa. O programa da Prefeitura de São Paulo é só uma forma de financiar os viciados para poder desmontar uma favela que já havia se tornado símbolo da gestão Haddad. E que tende a voltar.

Concluindo
No projeto original, não sei se a medida será implementada, os dependentes também teriam direito a… andar de graça nos ônibus — não estou brincando. Vai ver é uma forma de tentar espalhar os viciados cidade afora, sei lá… Já houve quem sugerisse que eles tivessem prioridade em programas de moradia. A cultura de glorificação das drogas é capaz das piores bizarrices.

Não há prazo para os beneficiários deixarem os hotéis. Isso quer dizer o óbvio: não sairão nunca mais. Um tipo de programa como esse, uma vez criado, fica para sempre. E a demanda só irá aumentar. A tendência é que viciados de várias outras partes do estado e do Brasil procurem a cidade de São Paulo. A lógica é econômica. O Centro de São Paulo está para sempre condenado. Esqueçam qualquer processo de revitalização. Nunca mais acontecerá. O PT entregou, para sempre, uma área da cidade ao consumo e, por óbvio, ao tráfico de drogas.

Com um ano de gestão, Haddad já consolidou parte de sua herança maldita. Aguardem: ele ainda tem muitas outras ideias na cabeça.

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 3:57

Onda de “rolezinhos” deixa Dilma e shoppings em alerta

Por Leandro Machado, Giba Bergamin Jr. e Natuza Nery, na Folha:
Os shopping centers do país estão se preparando para enfrentar uma onda de “rolezinhos”, encontro de jovens marcados nos centros por meio das redes sociais. A possível multiplicação dos encontros, que podem assumir caráter de protesto, também preocupa a presidente Dilma Rousseff. Ontem, ela surpreendeu sua equipe ao convocar uma reunião para tratar do assunto. O maior temor da presidente é que os “rolezinhos” tenham adesão de adeptos da tática de protesto “black bloc”. Ontem, o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, defendeu que a PM use a força contra os “rolezinhos” se for necessário.  Antes restritos à periferia de São Paulo, os eventos ganharam apoio de movimentos sociais nos últimos dias. A tentativa dos shoppings de proibir os “rolezinhos” no fim de semana insuflou a organização de novos encontros.

Ao menos três shoppings da capital conseguiram liminares que proibiam encontros no último sábado. Quem participasse, poderia ser multado em até R$ 10 mil. A Abrasce (associação que reúne 264 shoppings no país) fará uma série de reuniões de emergência com representantes dos centros comerciais. Os shoppings não descartam entrar novamente na Justiça para impedir os “rolezinhos” e vão destacar mais seguranças nos próximos eventos, que são monitorados. As reuniões entre os representantes do setor acontecem hoje em São Paulo e amanhã em Porto Alegre. No Rio, ainda não há data. O fenômeno dos “rolezinhos” surgiu em 2013 como forma de jovens de periferia buscar diversão, em eventos marcados pelo Facebook. Alguns tiveram correria e furtos.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

15/01/2014

às 3:55

PPS quer rever apoio a Campos caso ele ceda à exigência de Marina e rompa aliança com o PSDB em SP

Por Silvia Amorim, no Globo:
O PPS ameaça rever o apoio anunciado ao pré-candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, se o PSB romper a aliança que tem em São Paulo com o PSDB do governador Geraldo Alckmin. A parceria com Campos havia sido aprovada em dezembro no congresso nacional do PPS, e a ala paulista do partido teve peso decisivo na decisão sobre a aliança com o governador de Pernambuco. Agora, diante da pressão vinda de Marina Silva e seus aliados para que o PSB rompa a aliança com o PSDB em São Paulo e lance candidatura própria à sucessão estadual, o presidente do PPS paulista, David Zaia, disse nesta terça-feira que a decisão de apoiar o governador pernambucano terá de ser reavaliada se o rompimento entre PSB e PSDB for confirmado.

Ele disse que uma das questões conversadas com Campos, antes do anúncio do apoio à candidatura dele, foi a aliança existente entre PPS, PSDB e PSB em São Paulo. “Nós aprovamos um apoio com base em um cenário de aliança em São Paulo. Se isso mudar, nós temos que reanalisar”, afirmou Zaia, que é secretário no governo Alckmin.

Para o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, não é hora para exigências, mas ele considerou natural que o assunto seja rediscutido se a maioria do partido assim decidir. “ É natural que cada um tenha a sua opinião dentro do partido. Se houver a necessidade, vamos reavaliar. Qual o problema nisso? Agora, isso não pode ser colocado como uma exigência. Nós temos que ter em mente que o principal objetivo é construir essa alternativa com Eduardo Campos”, afirmou Freire, que torce para que o pernambucano tenha o palanque de Alckmin no estado.

Assim como o PPS, o PSB também tem espaço no primeiro escalão da gestão tucana. Freire classificou como “praticamente impossível” uma saída do PPS da aliança eleitoral de Alckmin, e defendeu a permanência do PSB nesse bloco como a melhor opção para o próprio Eduardo Campos em São Paulo. “ O melhor para a candidatura Eduardo Campos é estar junto ao bloco político liderado pelo PSDB, e não partir para uma candidatura própria apenas simbólica”, avaliou Freire.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

14/01/2014

às 21:05

Agora é fato: Haddad criou o “Bolsa Crack” em São Paulo e decreta que o Centro não será revitalizado — não enquanto ele for prefeito ao menos…

Quando o governo de São Paulo criou o “Cartão Recomeço”, a rede petralha na Internet inventou a cascata de que se tratava do programa “Bolsa Crack”. Ignorava-se o fato óbvio de que o pagamento pelo tratamento é efetuado diretamente à comunidade terapêutica. O governo de São Paulo não dá dinheiro aos dependentes.

A Prefeitura de São Paulo, sob o comando do petista Fernando Haddad, lançou nesta terça um suposto programa de combate ao crack. Voltarei ao assunto mais tarde com mais vagar. A quantidade de despropósitos impressiona — além de um truque vulgar.

O principal absurdo: Haddad dará dinheiro e hospedagem a viciados — e não cobrará deles a adesão a um programa de tratamento. Se eles não quiserem, não se tratam. O programa vai atender apenas a um pequeno grupo de consumidores.

Na verdade, à diferença do que acaba de noticiar o Jornal Nacional, não se trata de um programa para tentar acabar com a cracolândia. Como vou demonstrar mais tarde, o que Haddad acaba de fazer é oficializar a região como área permanente do crack. Assim, esqueçam qualquer possibilidade de revitalização da região.

Volto ainda ao assunto, reitero. Mas noto que setores importantes da imprensa brasileira demonstram simpatia pelo despropósito porque o programa seria pautado pela tal “política de redução de danos”, um conceito porcamente aplicado no Brasil por aqueles que, de fato, defendem é a descriminação das drogas.

Mais tarde, outros aspectos deletérios de mais uma ideia estupefaciente de Fernando Haddad, que transforma o consumo de crack numa vantagem comparativa.

Por Reinaldo Azevedo

14/01/2014

às 19:43

PT está rindo, e não é à toa, com a atuação de Marina Silva, hoje sua aliada objetiva. Ou: Cavalgando pterodáctilos, como em Avatar

Quem está rindo, e não à-toa, com o veto, caso se consume mesmo, de Marina Silva à aliança do PSB com o PSDB em São Paulo é o PT. É o chamado riso com causa.

A decisão é boa para todos os adversários dos tucanos no Estado, a começar do petista Alexandre Padilha. Mas também estão contentes o peemedebista Paulo Skaf, que aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de votos, e Gilberto Kassab, do PSD, que vai mesmo se candidatar.

Qualquer dos três que esteja no segundo turno — a história autoriza a apostar que, muito provavelmente, será Padilha — contará com o apoio dos outros dois. A prioridade do petismo, neste ano, é tirar o governo de São Paulo das mãos do PSDB.

O PT está contente também por outro motivo. Ainda que a eventual candidatura de Marina a vice na chapa de Eduardo Campos leve votos para a legenda, é evidente que o melhor para ele seria um palanque forte em São Paulo, o que não terá, qualquer que seja o candidato que o apoie no estado — um nome do próprio PSB ou da Rede.

AVATAR

Se Campos desistir mesmo da aliança com os tucanos no Estado — consta que a decisão já teria sido tomada —, parece-me que a reputação do governador sai um tantinho arranhada. Acordos que já estavam num estágio bastante avançado vão sendo rompidos por exigência de Marina. Isso vai criando a imagem de um político inconfiável.

Feita a apuração, o pleito da Rede para se tornar partido volta a ser analisado pelo TSE. Deve acontecer ali pelo começo de 2015. Aí Marina seguirá a sua saga, que tem um objetivo principal, único na verdade: eleger-se presidente da República. Vamos ver em que condições ficará o PSB depois disso.

Tudo somado e subtraído, a entrada da Rede no PSB, pelo tempo que durar, fez um bem imenso a… Marina Silva. E só a ela! Depois de sua chegada, Campos conseguiu o apoio apenas do PPS — e, ainda assim, não é unânime. Nem poderia ser diferente. Ela rejeitaria a aliança com qualquer outro partido — sabem como é… Falta às demais legendas a “pureza” que ela jura ter. Se um dia se eleger presidente da República, talvez governe com o apoio dos seres elementais, né?, como aquela esquisita que cavalga bichos parecidos com pterodáctilos, no filme Avatar

Ah, sim: a ordem no petismo é parar de bater em Marina. Avalia-se que isso só serve para fortalecê-la. Faz sentido. De resto, uma aliada informal como essa não se acha a toda hora…

Por Reinaldo Azevedo

14/01/2014

às 18:17

PGR pede que TSE reveja resolução que limita ação do MP

Por Laryssa Borges, na VEJA.com:
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedido para que a Corte reveja uma resolução que limita a atuação do Ministério Público nas eleições de 2014. Editado na última sessão do ano do TSE, o texto determina que o MP não poderá pedir a abertura de inquéritos para apurar crimes eleitorais. Também estabelece que a apuração de irregularidades eleitorais deverá ser precedida de autorização judicial. A resolução foi relatada pelo ministro José Antonio Dias Toffoli.

De acordo com o procurador-geral, o TSE deve rediscutir o teor da resolução e devolver os poderes para que o Ministério Público possa abrir investigação nas próximas eleições. Caso a Corte eleitoral não se manifeste, Janot pretende recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) alegando que a norma é inconstitucional, uma vez que impõe limitações ao MP não previstas na Constituição. No ano passado, o Congresso Nacional tentou amordaçar o Ministério Público por meio da proposta de emenda constitucional número 37 – a PEC 37. A tentativa, entretanto, naufragou após a proposta ser criticada nas ruas na onda de protestos que se espalharam pelo país.

Nesta terça-feira, um grupo de procuradores emitiu nota criticando a resolução do TSE: “Criar embaraços para o MP é dificultar a apuração de graves ilícitos eleitorais, como a compra de votos, as fraudes no alistamento eleitoral e na coleta dos votos e o uso da máquina administrativa em prol de candidatos”.

Por Reinaldo Azevedo

14/01/2014

às 17:38

O PMDB deixando o governo? Mera bravata!

O PMDB tem cinco ministérios, caso assim se considere também a Secretaria da Aviação Civil: contam-se ainda os de Minas e Energia, Agricultura, Previdência e Turismo. Reivindica agora o da Integração Nacional. Dilma não quer ceder. No partido, informa a Folha, há quem defenda a antecipação da convenção de junho para abril para emitir uma advertência a Dilma: “Ou cede, ou a gente cai fora do governo”.

Pois é… Quem acredita nisso? Nem os eventuais autores da proposta, não é? Qual a chance de o PMDB deixar os milhares de cargos que tem no governo, considerados todos os escalões, as estatais, autarquias, fundações etc.? Deixem-me ver… Muito inferior a zero.

Se Dilma ceder, será em razão de algum outro acordo. Em outras circunstâncias, o máximo que o PMDB faria seria retaliar o governo em votações no Congresso. Acontece que não há nenhuma pauta importante no Parlamento — nunca há em ano eleitoral.

Se o PMDB vai ou não levar outro agrado, não sei. Em razão da eventual ameaça de deixar o governo é que não será porque a presidente Dilma sabe que se trata de bravata.

Por Reinaldo Azevedo

14/01/2014

às 17:18

Agora Justiça dá 60 dias para Roseana construir presídios… Parece brincadeira!

Ai, ai… Agora a Justiça do Maranhão dá um prazo de 60 dias para que o governo do Maranhão construa novos presídios e zere o déficit de vagas no Estado. Essa é apenas uma das exigências — caso não sejam cumpridas, multa de R$ 50 mil diários para cada transgressão. Parece brincadeira. É claro que não vai acontecer e que a decisão acabará sendo revista, quando menos para renegociar o prazo. A Justiça acolhe agora uma ação proposta pelo Ministério Público em… 2011. Entendo! Quase três anos para dar uma resposta e, depois, um prazo de… 60 dias.

Faltam vagas nos presídios brasileiros. Mas, convenham, às vezes, parece que o Brasil precisa mesmo é de mais hospícios. O Maranhão é o estado brasileiro que menos prende. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, tinha, em 2012, sob a sua custódia, 5.417 presos — ou 128,5 encarcerados por 100 mil habitantes com mais de 18 anos. Para comparação: em São Paulo, são 633,1. Segundo dados que estão circulando por aí, os presos seriam 4.700. Os outros 700 e poucos estão sob a guarda da polícia em cadeias, não em presídios.

Seja como for, trata-se de uma população carcerária ínfima. É impressionante que a situação tenha se degradado tanto. É preciso ser incompetente de forma determinada e convicta para obter tal resultado. Leio em texto publicado na VEJA.com que há 382 agentes concursados trabalhando nos presídios maranhenses. Há 41 outros, já aprovados, aguardando nomeação. O sindicatos dos servidores alega que seriam necessários mais 800.

Oitocentos? É bom notar que parte do serviço, hoje em dia, é terceirizada — portanto, o número é maior do que 382. De todo modo, vamos adotar a conta do sindicato só para pensar: aos atuais funcionários concursados, outros 800 se juntariam, totalizando, então, 1.182 agentes. Huuummm… Se há nos presídios 4.700 presos, teríamos uma razão de 1 agente para cada 4 presos (3,97 para ser preciso). É mesmo, é? São Paulo tinha no sistema penitenciário 174.060 presos em 2012 (o total de encarcerados era de 195.695). Caso se trabalhasse com a proporção reivindicada pelo sindicato do Maranhão, seriam necessários 43.515 agentes só para cuidar dos presídios… Nota: São Paulo tem em torno de 25 mil  — mais ou menos 21,5 mil se dedicam à segurança penitenciária propriamente, e outros 3,5 mil à escolta e vigilância.

Impeachment
Leio no Globo online:
“Nesta terça-feira, advogados do Coletivo de Advogados de Direitos Humanos protocolaram na Assembleia Legislativa do Maranhão uma representação pedindo o impeachment contra a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, devido à situação do sistema carcerário no estado. O grupo, composto por 25 advogados de São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Belo Horizonte e Maranhão, afirma que Roseana tem que ser responsabilizada por falhas e incompetências políticas no caso e que ela não tem cumprido com seu dever constitucional de zelar pelos direitos e garantias fundamentais dos cidadãos do estado, especialmente os dos presidiários de Pedrinhas.”

Ok, mantém-se a pressão política e coisa e tal, mas não vai dar em nada. Roseana tem o controle da Assembleia Legislativa. De resto, vamos ser claros: caso se vá aprovar o impeachment de governadores em razão da situação lamentável dos presídios, quantos continuariam em seus cargos?

A propósito: o Rio Grande do Sul, de Tarso Genro, é um dos Estados que mais maltratam seus presos. Até agora, ninguém teve a ideia de pedir o impeachment do governador petista, né?

Por Reinaldo Azevedo

Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. – Todos os direitos reservados

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: