A Selic baixa, a inflação permanece estável, mas os juros do cheque especial, das prestações ou do cartão de crédito não diminuem.

03/04/2014 – às 11:37 \ Economia

Taxa de juros acima de quando Dilma assumiu o governo: o efeito mola de quem ignora o mercado

É inadmissível, que o Brasil que tem um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com um dos juros mais altos do mundo. Estes valores não podem continuar tão altos. O Brasil de hoje não justifica isto. Os bancos não podem continuar cobrando os mesmos juros para empresas e para o consumidor enquanto a taxa básica Selic cai, a economia se mantém estável e a maioria esmagadora dos brasileiros honra com presteza e honestidade seus compromissos.

O setor financeiro, portanto, não tem como explicar esta lógica perversa aos brasileiros. A Selic baixa, a inflação permanece estável, mas os juros do cheque especial, das prestações ou do cartão de crédito não diminuem. A Caixa Economia Federal e o Banco do Brasil escolheram o caminho do bom exemplo e da saudável concorrência de mercado provando que é possível baixar os juros cobrados aos seus clientes em empréstimos, cartões, cheque especial e inclusive no crédito consignado.

Essas foram palavras usadas pela presidente Dilma em discurso populista durante a comemoração do Dia do Trabalho em 2012. Eis aqui o trecho em vídeo, para fixar bem a mensagem:

Inflação estável e queda da Selic? A presidente vivia em outro mundo. Nesse mundo de fantasias, o governo pode simplesmente decretar a queda na taxa de juros, como se esta não fosse um preço de mercado, e depois usar os bancos públicos para reduzir na marra as taxas dos empréstimos, como se isso não tivesse efeitos nefastos depois.

O resultado? Está aí: os bancos públicos, após um crescimento assustador na carteira de crédito, com base em critérios políticos em vez de econômicos, tiveram que voltar a subir as taxas de juros. O Copom (Comitê de Política Monetária) acaba de colocar em 11% a taxa básica Selic, acima do patamar de quando Dilma assumiu o governo.

Fonte: GLOBO

E a inflação? Ora, segue em patamar bem elevado e, ao que tudo indica, pode até furar o teto da banda este ano, mesmo com preços congelados pelo governo. É isso que acontece quando a própria presidente e sua equipe econômica não compreendem absolutamente nada do funcionamento dos mercados, e pensam, de forma arrogante, que podem simplesmente alterar preços por decreto.

A presidente também fez um escarcéu demagógico, usando as redes e televisão e rádio, para anunciar a queda artificial nas tarifas de energia. O resultado, como já fica claro, será o mesmo: as tarifas terão de ser aumentadas à frente, com um custo ainda maior para todos nós, fora o risco de apagão e racionamento. É o efeito mola de quem desrespeita o mercado…

Rodrigo Constantino

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: